5 formas de parar de gastar dinheiro à toa, parte 2

Tudo o que eu faço para poupar dinheiro pode ser replicado por qualquer um.

Para provar o meu ponto vou escrever sobre cinco mudanças que fiz na minha vida de forma a reduzir os meus gastos.

Estas cinco mudanças serão exploradas numa série de 5 artigos que decidi escrever no blogue frugalistico. Podem ler o primeiro artigo aqui.

Este é o segundo artigo da série.

Antes de começar, gostava de alertar que a maioria das mudanças que vou descrever podem ser consideradas extremas.

Medidas extremas muitas vezes produzem resultados extremos.

Se você se quer reformar numa década, antes da maioria das pessoas, provavelmente vai ter que começar a gerir as suas despesas de outra forma.

Como podem imaginar esta série de artigos não vai falar sobre "cortar no seu latte diário".

Nestes artigos vou tentar mostrar quais são as implicações destas mudanças e como estes métodos podem criar riqueza real e duradoura a qualquer um.

Essa riqueza real e duradoura pode então ser usada para gerar renda passiva necessária para não depender do seu trabalho e se tornar financeiramente independente.

Se você realmente pretende se reformar cedo, ou pelo menos mais cedo que a maioria das pessoas, deve considerar a implementação de algumas destas ideias de poupança no seu orçamento pessoal.

Método de Poupança Número 2: Pare de gastar tanto em transportes

Transporte é um dos três pilares da poupança: habitação, alimentação e transporte.

Estas três categorias representam a maioria dos gastos de uma pessoa. Como tal, faz sentido tentarmos optimizar estas 3 categorias antes de olhar para as categorias mais insignificantes.

Quando olho para os meus orçamentos dos anos anteriores observo que tenho vindo também a cortar na minha despesa em transportes. Em 2014 estava a gastar uma média mensal de €805,78 em transportes.

Em 2009, quando ainda estava a viver em Portugal, decidi comprar um BMW novo. Essa decisão saiu-me caro a longo prazo. O financiamento foi feito a 5 anos, a mensalidade até não parecia nada de especial na altura. Claro que no final dos 5 anos havia um valor residual a ser pago, dai os €805,78 mensais em 2014.

Em 2015, consegui vender esse BMW e comprei um segundo carro aqui na Irlanda, desta vez usado.

Em 2016 usei o mesmo carro que comprei em 2015. A média mensal de transportes desceu consideravelmente comparando com 2014.

Segundo o CSO (Central Statistics Office) um condutor irlandês dirige em média 16.000 Km por ano e o preço médio de um litro de gasolina é de €1.56 por litro, menos €0.14 que o ano passado.

Considerando um carro familiar médio que faça 35 milhas por galão, ou 8.06 litros aos 100 Km, o condutor irlandês gasta aproximadamente €1.935 em gasolina por ano, poupando mais de €200 que o ano passado.

O custo do seguro para dois adultos depende de muitos factores, nomeadamente localização, histórico de condução, bónus de não-reinvidicações e do tipo de carro, mas uma família irlandesa tem um gasto em seguro automóvel que ronda os €800 anuais em média.

A idade média de um carro na Irlanda é superior a 7 anos, o imposto de circulação anual baseado na cilindrada para um motor 1.6 litros é €478, outros €400 devem ser postos de parte para assistência técnica e manutenções.

Se você gastar €10.000 num carro e consiga mantê-lo por cinco anos, irá vendê-lo por metade do preço que pagou inicialmente. Logo o custo anual é de €1.000, o que adicionando aos outros custos dá um custo total de operação de €4.613 anuais em média, isto dá uma média mensal de €384.41 por mês.

Estou a fazer melhor que a média, mesmo sem cortar agressivamente nos gastos em transporte. E sei que posso fazer muito melhor nesta categoria se passar a usar transportes públicos.

Acho importante tentar gastar menos que a média se temos como objectivo chegar à reforma mais cedo que a média.

A reforma antecipada não acontece só porque está a fazer um pouco melhor que a média nos seus gastos. É necessário atacar agressivamente os seus gastos com o objectivo de gerar um excesso de capital necessário para investir frequentemente para que esses investimentos possam fornecer uma renda passiva suficiente para eclipsar os seus gastos numa idade jovem.

Quanto menor for o gasto, mais dinheiro você terá para investir. E quanto menor for a sua despesa, menor será a renda passiva necessária para cobrir as suas contas.

Bate tudo certo.

Vamos fazer umas contas rápidas aqui.

A unidade de consumo média gasta €4.613 por ano em transporte.

Assumindo 8% de juros compostos anuais (bem abaixo do retorno médio anual no mercado de acções nos últimos 100 anos) e ignorando impostos e inflação.

Se você conseguir investir €4.613 por ano de forma inteligente por 20 anos, eles transformam-se aproximadamente em €228.222, começando do zero.

Este número assume que irá economizar e investir todo o dinheiro que seria alocado a categoria de transportes.

A minha melhor dica nesta categoria é parar de conduzir completamente. Dizer adeus ao carro. A sua despesa com transportes irá reduzir radicalmente.

É um ciclo de loucura. Conduzir não é bom para a nossa saúde. Conduzir elimina o tempo que passamos lá fora a pé ou de bicicleta, os acidentes de carro são uma das maiores causas de morte na Irlanda.

A cada dia que passa a partilha de viaturas ganha mais adeptos.

O sistema de carsharing é hoje usado por muitas empresas, para deslocações de curta duração dos seus colaboradores, ou para utilizadores ocasionais de automóveis.

O carpooling, por sua vez, é um sistema adoptado preferencialmente entre colegas de trabalho, amigos e estudantes que pretendem desta forma fomentar o convívio, economizar tempo e dinheiro na deslocação e também contribuir para a redução das emissões de gases com efeito de estufa.

Só assim é possível conseguir a reforma antecipada. Eu acredito que quase todas as cidades na Europa têm algum sistema publico de transportes.

Use-o. Tire proveito desse sistema. E quando precisar de se deslocar a algum lugar, seja criativo. Caminhe, pegue na bicicleta, ou chame um Uber.
Compre uma scooter que custa menos de €1.000 e gasta 2,35 litros por 100 Km.

Tenha em mente que a principal razão para que as pessoas precisam de carro é para se deslocarem para o trabalho no dia-a-dia. Se conseguir parar de trabalhar, você não precisará de se deslocar com tanta frequência. Isso torna ainda mais fácil o uso do transporte público.

Tente parar de gastar para trabalhar e comece apenas a trabalhar para gastar.

Tome conta do seu dinheiro para que um dia o seu dinheiro possa tomar conta de si.

É isto por hoje.

Fiquem atentos ao terceiro artigo, que virá em breve.

Obrigado pela leitura

Comentários

comments powered by Disqus