Habitação: Arrendar vs Comprar

Arrendar ou comprar casa? Várias pessoas me perguntam porque não invisto as minhas poupanças numa habitação.

Este debate dura há várias gerações e provavelmente vai continuar a ser discutido por muitos e muitos anos.

Pessoalmente não me importo de debater este assunto.
Na minha opinião, a maioria das discussões sobre este assunto estão incorrectas na forma como enquadram o problema.

Não acho que este assunto deva ser apenas discutido numa perspectiva financeira. Devemos tentar construir um argumento com base no estado do mercado imobiliário, na situação financeira actual e no horizonte temporal.

É muito difícil construir um argumento generalizado tendo em conta a diversidade dos mercados imobiliários.

Numa perspectiva financeira, supondo que você vai viver no mesmo lugar pelo menos 10 anos, geralmente comprar é a melhor escolha.

Nas grandes cidades, arrendar parece ser uma opção mais favorável.

Estas generalizações podem não ter qualquer significado (dependendo de cada situação) e cada situação deve ser analisada individualmente de forma detalhada.

O resultado final pode variar drasticamente de pessoa para pessoa. Logo, não devemos debater este assunto apenas do ponto de vista financeiro.

Eu acho que a decisão de comprar ou arrendar casa é uma questão pessoal mais relacionada com o estilo de vida que cada um procura.
Eu, pessoalmente, acho que na minha situação tenho mais vantagens em arrendar.

Mas eu acho que, mesmo que me fosse mais favorável financeiramente comprar que arrendar, eu ainda arrendaria.

Arrendar está mais associado ao meu estilo de vida. Arrendar para mim tem um valor premium.
Mesmo que tivesse neste momento 1 milhão de euros eu continuaria a arrendar.

Talvez fosse arrendar numa cidade maior ou num lugar diferente. No entanto iria continuar a arrendar, independentemente da minha riqueza.

Porque arrendar tem um valor premium?

Isso é muito fácil de responder. Neste momento, quando tenho um problema no meu apartamento, algo partido por exemplo, consigo resolver esse problema muito rapidamente - com um telefonema.

Tenho responsabilidade limitada sobre o imóvel. Não tenho que me preocupar com manutenção, upgrades e reparos. Esta flexibilidade só acrescenta valor à minha liberdade.
Esta responsabilidade limitada tem um valor premium porque tenho mais tempo para mim e menos preocupações.

Efectivamente tenho zero preocupações com o telhado sobre a minha cabeça. Algo aconteceu? Não é o meu problema.
Não me importo com a caldeira, nem com o jardim, nem tenho que remodelar a casa de banho. Não tenho qualquer ligação emocional com o lugar onde vivo. Apenas vejo a minha casa como um edifício que habito.

Posso até dizer honestamente que possuir uma casa própria iria reduzir a minha felicidade pessoal porque iria adicionar todo o tipo de preocupações e tarefas que ter uma casa exige. Preocupações e tarefas que não preciso.

Ter essas preocupações e tarefas delegadas noutra pessoa permite-me concentrar o meu tempo, atenção e energia em coisas que me fazem mais feliz. Coisas como escrever, ler, passar tempo com a minha família, fazer exercício ou ir dar um mergulho à praia.

No fim das contas, arrendar ou comprar uma propriedade é realmente uma decisão pessoal. Mas eu acredito que seja mais pessoal que financeira. Tem tudo a ver com o estilo de vida que cada um procura.

Comprar uma casa até pode ser um bom investimento e você até pode fazer algum dinheiro, mas isso não o faz mais feliz.
Comprar casa não faz parte da minha lista pessoal de objectivos que me conduzem à felicidade.

Cortar relva? Não

Entrar em contacto com a empresa de isolamento para resolver uma infiltração? Não

Jardinagem? Não

Passar horas numa loja de decoração a escolher azulejos? Não

Nada disto me interessa ou me faz mais feliz, então tento evitar este tipo de tarefas.
Arrendar para mim não é uma decisão financeira. É estilo de vida.

Arrendar está alinhado com a minha opinião sobre a vida de uma forma geral. É parte de um estilo de vida holístico que é personalizado por mim e para mim de forma a maximizar as minhas oportunidades de ser feliz.

Isto é só a minha opinião. Talvez você tenha uma opinião completamente diferente.

Eu arrendo porque sou mais feliz arrendando caso contrario compraria.
Estou a partilhar isto com vocês a fim de apontar que somos nós que criamos o nosso estilo de vida.

Se queremos ser financeiramente independentes numa idade jovem esta decisão não deve levar ao declínio da nossa felicidade.

Gastar mais dinheiro não nos faz mais felizes, mas gastar menos dinheiro pode realmente ter o efeito inverso.

É contra-intuitivo, o que torna o assunto ainda mais interessante. Por alguma razão as pessoas acreditam que o dinheiro e a felicidade operam em proporções constantes 1 para 1, onde a alteração do primeiro factor afecta proporcionalmente o segundo. Não é verdade.

O termóstato da felicidade reage consoante o número de experiências que vamos absorvendo durante a vida. Experiências que valem muito mais que dinheiro, que o transformam numa pessoa melhor e que afectam o mundo ao seu redor.

O que você acha? Arrendar ou comprar? Você faz a escolha com base nos números ou com base no que o faz mais feliz?

Obrigado pela leitura

Comentários

comments powered by Disqus